#027 - Sobre a Blackwood

10:45


Blackwood significa árvore negra, que está apodrecendo.
Mas ao mesmo tempo em que ela pode morrer, pode também se curar e ficar saudável. E eu assimilo a árvore a vida, principalmente a árvore negra.



















Blackwood é uma banda do cenário Underground da música no ABC. Foi criada em Agosto de 2017, tendo em sua formação 04 integrantes: Arthur Leal na guitarra, Leonardo Silva no Baixo, Victoria Bauerle na Bateria, e Marco Renner como vocalista.

As ideias iniciais de se criar um conjunto e entrar na cena Andreense partiram de 03 amigos em meados de 2012. O grupo de colegas estudavam junto e nos finais de semana se reuniam e foi após um desses encontros em um jogo de música, que tiveram a ideia de ter uma banda.

Marco e Arthur aprenderam a tocar instrumentos, e formaram sua primeira banda junto ao baixista Daniel Andreotti, em 2013. O grupo se chamava Damn, e ensaiava apenas em garagens. Após algum tempo juntos, Otávio Crippa e Giovanna Bertuci ingressaram na banda formando o quinteto que se assimilava a um gênero grunge misturado com Hard Rock.
O grupo chegou a tocar em vários festivais e compôs 02 músicas denominadas “Happy Child” e “Where Were You”.

No final de 2016, Daniel se retira da banda por questões acadêmicas, deixando espaço para um baixista, vaga ocupada por Leonardo Silva, que já havia trabalhado em outros projetos com Arthur Leal.
Divergências de gêneros e personalidades colocaram fim à banda, com a saída de Giovanna e Otávio, o trio buscou um baterista para ingressar e Marco voltou a assumir guitarras rítmicas.

Em agosto de 2017, Victoria Bauerle é chamada pelo trio para ingressar e, após alguns ensaios juntos, se firma na banda assumindo a bateria, firmando-se essa nova formação.

Nomeada Blackwood, a banda começou suas atividades e em 03 meses foram criadas 04 músicas; “Stonehearted”, “Raw”, “Came Back Home”, e “Unsolved “ (junto ao riff criado por Eduardo Guirelli).


Conversamos um pouco com os integrantes da banda para conhecer um pouco mais por trás da história, planos e próximos shows.

O que a banda representa para todos vocês?
Arthur/Marco: . A banda representa para a gente, nossa voz. É o jeito de colocar para fora tudo que sentimos, seja bom ou ruim. Cada música tem um significado muito forte para nós. Seja nas letras ou instrumental. E cantar sobre musicas que tem impacto em nossas vidas era horrível, nos deixava mal, porém colocando isso para fora repetidamente, deixa mais aceitável, e talvez no futuro isso se cure por completo.

Quais são as expectativas com a banda?
Todos: Não é fama, nem dinheiro.
Mas queremos que as pessoas ouçam as nossas músicas e se identifiquem, para saberem que não estão sozinhas.
E junto conosco, se libertem de algo que as incomoda também. 

Quais são os projetos futuros a curto prazo?
Arthur/Leo/Victoria: O lançamento da EP é o começo de tudo, iremos expor tudo que fizemos até hoje, queremos que agrade as pessoas e que elas percebam que somos uma banda nova, totalmente nova e mesmo que com referências de outras bandas e músicos, é difícil definir o que somos (o que na nossa opinião é atraente).

E a longo prazo?
Marco: Acreditar em conquistar grandes palcos, não só no Brasil, mas mundialmente é algo quase utópico. Uma vez que o cenário brasileiro não favorece o rock, ainda mais o cenário Underground.
Mas acreditamos e trabalhamos para alcançar tal objetivo. Tentamos ser realistas e ter o pé no chão em todas as etapas e situações pela qual passamos.
"O sonho é o combustível da ação."

Quais são as expectativas para os próximos shows?
Arthur: Temos várias oportunidades que surgiram nos últimos dias, e convites para festivais. A etapa atual é ensaiar e continuar compondo, aumentando assim nosso setlist e integração musical dos integrantes. Andamos treinando backing vocals jams para que nossa performance em palco seja superior. Sempre tocar como se fosse o maior show de nossas vidas.

(Victoria Bauerle)

  (Marco Renner)

(Arthur Leal)

(Leonardo Silva)

You Might Also Like

0 comentários

Posts Populares

COLETIVE-SE